Sempre que abordamos as possibilidades de uma sociedade com mais justiça social e igualdade de direitos, necessitamos amadurecer também nossas concepções em relação a um mercado de trabalho que abra espaço para a diversidade e a inclusão, principalmente para PCD’s.  O que significa novas oportunidades para que TODOS, sem exceção, tenham a possibilidade de contribuir, independentemente de suas dificuldades e demandas específicas.

Para entender algumas coisas …

PCD é, atualmente, a expressão correta e oficial, estabelecida pela convenção das Nações Unidas, que quer dizer “Pessoa com Deficiência”. É utilizada para designar os indivíduos que possuem alguma deficiência e/ou limitação permanente, não importando se foi adquirida (causada por doenças, acidentes etc.) ou se é congênita. As limitações podem ser mentais, físicas ou sensoriais (ou até associadas). O termo evita mal-entendidos ou o uso de termos considerados vexatórios e que não são mais utilizados.  

A Legislação

Prestes a completar 30 anos, a chamada Lei de Cotas – a Lei 8.213/91, de julho de 1991, pressionou as empresas para a contratação de profissionais com deficiência no mercado de trabalho, a partir do momento em que impõe um percentual mínimo de funcionários PCD’s em empresas com mais de 100 funcionários , conforme

  I – até 200 Empregados …………………………………………………………………… 2%

  II – de 201 a 500 ……………………………………………………………………………. 3%

  III – de 501 a 1.000 ………………………………………………………………………… 4%

  IV – de 1.001 em diante ………………………………………………………………….. 5%

Lei 13.146/2015Lei  Brasileira  de Inclusão de Pessoas com Deficiência, também conhecida como Estatuto da Deficiência, tem abrangência sobre os direitos  das PCD’s em aspectos gerais, como saúde, moradia, educação e também da Inclusão no Trabalho.

Ambas as leis têm por objetivo promover a inclusão e uma maior participação dos PCD’s na sociedade e no mercado de trabalho, além de combater o preconceito. No entanto, ainda é difícil fazer com que as empresas cumpram a lei com consciência e de forma correta: não é incomum empresas que buscam contratar PCD’s com deficiências consideradas mais ‘leves’ para evitar maiores esforços de adaptação da organização em um contexto geral.

 

Dificuldades na prática:

As dificuldades em fazer valer a leis têm uma consequência muito negativa: de acordo com pesquisa realizada pelo Governo Federal, cerca de 6% da população (algo em torno de 46 milhões de pessoas) têm alguma deficiência. No entanto, menos de 1% destes estão empregados em vagas formais. É uma taxa muito baixa e pouquíssimo representativa, se levado em conta o total de vagas no Brasil.

As empresas, antes do dever e da necessidade de cumprimento da lei, necessitam estar alertas ao engajamento social por si só. Apesar de não ser regra, muitas empresas não percebem a contratação de PCD’s como algo estratégico, perdendo a oportunidade de criar um ambiente mais diverso, além de inúmeros motivos para ter um PcD no seu quadro de funcionários.          

E quais seriam esses motivos para contratar PCD’s?

Ao contratar um PcD, a empresa tem a necessidade de inovar na sua cultura organizacional, considerando que serão necessárias melhorias estruturais e capacitação da equipe, investimentos essenciais para receber os colaboradores com deficiência, de forma satisfatória e efetivamente inclusiva, na organização. Além disso, a possibilidade de oferecer um ambiente corporativo democrático, diverso, justo e até acolhedor, traz visibilidade e aumenta a competitividade, gerando valor/reputação para a marca.

No entanto, há outras vantagens que demonstram que a contratação de PCD’s só agregam às organizações:

Aumento Do Sentimento De Representatividade

Somos parte integrante de uma sociedade plural em vários aspectos e por este motivo é necessário entender que o sentimento de representatividade, de identificação, é algo muito valioso no mercado. Indivíduos que não se sentiam, não se viam representados, passam a nutrir este sentimento pela organização (ou marca) a partir das modificações de posicionamento de inclusão e diversidade em suas equipes e produtos ou serviços ofertados. Assim, a empresa pode se tornar referência em inclusão no seu ramo de atuação, atraindo novos públicos, novos nichos, aumentando sua performance no mercado.

 Conquista e Retenção de Talentos

As possibilidades de a empresa conseguir o candidato com o perfil mais adequado aumentam quando ela amplia seu processo de seleção de candidatos, quando ela permite que uma maior diversidade de candidatos possam participar. Além disso, muitos destes candidatos são altamente capacitados e qualificados, buscando se destacar entre a concorrência, já que têm maior dificuldade de se inserir no mercado. Colaboradores de alta performance aumentam o potencial competitivo da organização.

Formação de uma equipe diversificada

Uma maior diversidade de colaboradores no local de trabalho permite também uma diversidade de culturas, ideias e de conhecimento de vida. Essas diferenças podem trazer mudanças de comportamento e, quem sabe, mudanças culturais, de acordo com novas (e diferentes) visões do mesmo ponto.

Melhoria da Imagem

Quando as pessoas descobrem, na prática, que uma empresa possui políticas de inclusão para PCD’s, elas alteram seu julgamento; da indiferença ao sentimento de acolhimento, passam a considerar a empresa como atenta às necessidades deste público, com maior responsabilidade social e trabalhando em uma sociedade mais igualitária. Isso agrega valor à imagem/reputação da empresa, tanto com o público externo quanto interno, tendo em consideração que o investimento em programas de inclusão aumentam as oportunidades de crescimento, ampliação e mudanças também da cultura.

Sugestões para sua empresa implementar a inclusão:

Promova uma Cultura Organizacional inclusiva

Se a cultura organizacional é composta pelos valores e crenças da empresa, é fundamental que a empresa admita a inclusão de PCD’s como premissa. Com ações que integrem todos os colaboradores, inclusive sócios, líderes e gestores, para que haja a consciência coletiva de que a inclusão de PCD’s faz parte da cultura da empresa. A inclusão de PCD’s deve fazer parte da rotina, através de ações que estimulem a alteração no comportamento, visando igualdade.

Adapte a estrutura física da sua empresa

Adaptar a estrutura física da empresa é fundamental para garantir a acessibilidade necessária para cada PcD, para cada tipo de limitação. Rampas de acesso, elevadores para pessoas que tem dificuldade de locomoção, banheiros adaptados, pisos táteis e o que for necessário para que o empregado se sinta confortável na execução de suas tarefas, independentemente de quais são suas necessidades especiais.

Ofereça vagas para PCD’s

Se a empresa já está no processo de implementar a inclusão de PcD, fazendo alterações nas suas estruturas físicas e culturais, já está no caminho certo para receber os colaboradores. É o momento de criar vagas!

Os processos seletivos não devem, em momento algum, insinuar quaisquer diferenciações para pessoas com e sem deficiência., assim como avaliações de desempenho, capacitações promovidas pela empresa, plano de carreira e outras ações do tipo. É preciso lembrar também que as ferramentas de trabalho, mobiliário e estrutura física devem estar adaptados às necessidades e peculiaridades dos empregados com deficiência.

Procure conscientizar os colaboradores sobre a necessidade da inclusão

O processo de implementar a inclusão da PCD’s traz mudanças para a cultura da empresa e por isso é extremamente necessário a promoção palestras, de cursos e encontros. Os objetivos destas ações são conscientizar os colaboradores sobre a boa convivência, sempre em equipe, indiferente às necessidades e peculiaridades dos colaboradores com deficiências. Promova também encontros ligados à cultura organizacional, que são momentos adequados para frear estereótipos, aumentar e efetivar a inclusão e tornar mais forte os laços afetivos entre os funcionários.

Compartilhe sua experiência

A diversidade e sua pluralidade trazem melhorias para o ambiente corporativo, através do fortalecimento das equipes, desenvolvimento de empatia e a necessidade da prática do respeito em tempo integral. Sendo assim, é necessário considerar tudo o que aconteceu de positivo com a inclusão, compartilhando com os colaboradores tudo o que foi conquistado, destacando o diferencial positivo de sua equipe

Ao viabilizar a inclusão de colaboradores com deficiência nas empresas, estamos também promovendo a construção de uma sociedade mais complacente, mais justa, igualitária e que valoriza a diversidade. Essa colaboração é uma enorme contribuição social que a empresa oferece à sociedade. Contratar e incentivar pessoas com deficiência a desenvolver e aperfeiçoar suas competências no mundo corporativo ajuda não só na vida profissional, mas ajuda também a adquirir maior autonomia, o que gera maior autoestima e sentimento de pertencimento na vida pessoal. 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *